VISITAS

sábado, 4 de outubro de 2014

Série livros sobre a ~Amazônia - A INVENÇÃO DA AMAZÔNIA - Neide Gondim




Neide Gondim. A invenção da Amazônia. Marco Zero. 1994. 1 ed. 278 p. ISBN 8527901692








Neide Gondim. A invenção da Amazônia. Valer. 2007. 2 ed. 339 p. ISBN 857512143



  • "As potencialidades imaginárias que os autores de ficção pensam existir na Amazônia ainda guardam o vigor dos tempos primeiros dos navegadores de águas turvas e cristalinas do rio das Amazonas e de seus tributários no bordado de suas estradas líquidas."
- Neide Gondim, escritora amazonense. In: _________. A Invenção da Amazônia.

'Esse estudo tão abrangente, e por isso mesmo aberto para outros textos e novas leituras sobre a região, nos permite rever uma região através das visões distorcidas que perduram, pois a Amazônia, enquanto 'periferia exótica' de um Brasil desagregado, em crise crônica, ainda é um desafio em um lugar da utopia.' - Milton Hatoum

Sinopse - A invenção da Amazônia - Neide Gondim

O livro tem apresentação de Márcio Souza, orelhas de Octávio Ianni e comentário de Milton Hatoum em matéria publicada na Folha de São Paulo, que diz: "Esse estudo tão abrangente , e por isso mesmo aberto para outros textos e novas leituras sobre a região, nos permite rever uma região através das visões distorcidas que perduram, pois a Amazônia, enquanto "periferia exótica" de um Brasil desagregado, em crise crônica, ainda é um desafio em um lugar da utopia".


A Invenção da Amazônia


Se a América foi inventada por um sonho expansionista europeu, a Amazônia podia constituir, talvez mais que em qualquer outro lugar do mundo, como continuidade desse devaneio. Do século XVI ao XIX, a região foi literalmente invadida pelo homem europeu.
Gondim afirma que “a Amazônia foi uma invenção”, pois a Amazônia não foi descoberta, esse termo só foi intitulado com a chegada dos portugueses.
Como se pode descobrir algo que já existe há centenas de anos?
Souza afirma “que quando os europeus chegaram ao século XVI, a Amazônia era habitada por um conjunto de sociedades hierarquizadas”. Ou seja, a partir dessa afirmação, vale ressaltar que a Amazônia brasileira já existia antes da chegada dos colonizadores.
A invenção da Amazônia se deu a partir dos relatos de viagens escritos pelos viajantes, missionários, etc. No livro A invenção da Amazônia (2007), de Neide Gondim, temos um painel dos primeiros viajantes cronistas, como também dos ficcionistas, que escreveram sobre aquela região até o século XX. A grande maioria desses aventureiros deixa o seu registro de entusiasmo, preconceito e fantasias. Essas viagens acendem o imaginário do homem europeu, pois estes sonhavam com o “paraíso e a fonte da eterna juventude”.
O paraíso aí se funda como o reino das possibilidades. Para Colombo e os outros navegadores que o seguiram, o Oriente seria a fonte para todo um imaginário fabuloso (Gondim, 2007). O impacto disso é tão forte no Ocidente que vamos encontrar essa associação ainda no século XVII, quando viajantes, por exemplo, procuravam o desconhecido e o fantástico na Amazônia.
A invenção da Amazônia se deu a partir de ideologias desde a escritura bíblica, fazendo um percurso pela Idade Média até os nossos dias. Acreditava-se que existia aqui na terra um paraíso, igual o descrito na Bíblia, que era o jardim do Éden, onde habitava Adão e Eva. Muitas foram às ideologias disseminadas e que acenderam o imaginário do homem europeu, pois este acreditava que esse “Paraíso ou El – dourado” existia e era uma cidade coberta de ouro e que possuía um rio onde suas águas conservassem a juventude eterna.
Cada imaginário se preenche com os limites de sua própria ansiedade. Ao tentar conquistar o desconhecido compreende-se uma oportunidade de domar o seu próprio imaginário. Mais uma vez, o detonador dessa aventura é uma especiaria. Ouvia-se falar muito no país da Canela; as mulheres guerreiras surgem como um misto de idealidade e sugestividade ao ambiente. Elas dão o toque feminino de medo do desconhecido. A relação com o mito grego das Amazonas obedece, portanto, a uma estratégia de nomeação.
Percebe-se que A Invenção da Amazônia se dá a partir das construções ideológica de um território, que é parte de um conjunto de mitos e fabulações que os europeus inventaram a América. Nesse caso, se a América foi inventada e não descoberta o que nos resta é simplesmente dar continuação a essa invenção, pois o próprio texto não nos mostra uma busca pela verdade e continua a falar em invenção.

Neide Gondim, em seu livro, construiu um painel dos primeiro viajantes cronistas, como também dos ficcionistas, que escreveram sobre a Amazônia até o século XX.  A grande maioria destes aventureiros deixou seu registro de entusiasmo, preconceito e fantasias. E suas histórias se proliferaram mundo afora, histórias que eram enfeitadas e moldadas de acordo com a imaginação de cada viajante que teve contato com esta terra.
'A invenção da Amazônia', que conta sobre como a Amazônia foi inventada e idealizada pelo europeu. A grande maioria desses aventureiros deixou o seu registro de entusiasmo, preconceito e fantasias que viam na Amazônia como o reino das possibilidades.O impacto disso é tão forte no Ocidente que vamos encontrar essa associação ainda no século XVII, quando viajantes,por exemplo, procuravam o desconhecido e o fantástico na Amazônia.

A invenção da Amazônia se deu a partir de ideologias desde a escritura bíblica, fazendo um percurso pela Idade Média até os nossos dias.v


Nenhum comentário:

Postar um comentário