VISITAS

sábado, 30 de agosto de 2014

Série livros sobre a Amazônia - HUMAN IMPACT ON AMAZONIA - Posey and Balick

Darrell Addison Posey (1947-2001) was director of the Traditional Resource Rights Programme, Oxford Centre for the Environment, Ethics, and Society, and of the University of Oxford Centre for Brazilian Studies.




He is the author of several books, including Beyond Intellectual Property: Toward Traditional Resource Rights for Indigenous Peoples and Local Communities and Indigenous Knowledge and Ethics: A Darrell Posey Reader.Michael J. Balick is vice president for research and training and director and philecology curator at the Institute of Economic Botany, The New York Botanical Garden. He is the author or editor of sixteen books, including Plants, People, and Culture: The Science of Ethnobotany (with Paul Alan Cox); Useful Palms of the World (with Hans T. Beck); Rainforest Remedies: One Hundred Healing Herbs of Belize (with Rosita Arvigo); and The Subsidy from Nature: Palm Forests, Peasantry, and Development on an Amazon Frontier (with Anthony B. Anderson and Peter H. May).

Fonte: Columbia Press


________________



Darrel Addison Posey and Michael J Balick. Human Impacts on Amazonia: The Role of Traditional Ecological Knowledge in Conservation and Development. Columbia University Press. 2006. 392 p. ISBN  978-0-232-10589-7

 

Resenha
From the pre-Columbian era to the present, native Amazonians have shaped the land around them, emphasizing utilization, conservation, and sustainability. These priorities stand in stark contrast to colonial and contemporary exploitation of Amazonia by outside interests. With essays from environmental scientists, botanists, and anthropologists, this volume explores the various effects of human development on Amazonia. The contributors argue that by protecting and drawing on local knowledge and values, further environmental ruin can be avoided.

____________________________________


Biography (by Wikipedia - Darel Posey )



Darrell Addison Posey (March 14, 1947-March 6, 2001) was an American anthropologist and biologist who vitalized the study of traditional knowledge of indigenous and folk populations in Brazil and other countries. He called his approach ethnobiology and combined research with respect for other cultures, especially indigenous intellectual property rights.
An obituary described him as an "anthropologist who gave up scholarly detachment to fight for the rights of native peoples."[1] He never married and was survived by his parents and brother. He died of a brain tumor, at 53 years of age, in Oxford, England, where he made his home after 1992.

Biografie
Darrell A. Posey was born on March 14, 1947, son of Henry and Pearl Posey, in rural Henderson, Kentucky. From an early age he was a member of the Anglican Church. Educated at Henderson County High School, he had a biology teacher, Mr. Ned Barra, who encouraged his interest in insects. In 1970, Posey was graduated with a B.Sc. in Entomology, by the Louisiana State University, Baton Rouge, Louisiana. He obtained a M.A. in Anthropology, in 1974, also at the Louisiana State University, with the thesis The Fifth Ward Settlement: A Tri Racial Marginal Group. He obtained a Ph.D. in Anthropology, in 1979, at the University of Georgia, Athens, Georgia, with the thesis Ethnoentomology of the Gorotire Kayapó of Central Brazil.
Posey's switch from entomology to anthropology was due to his friendship with anthropology professor William G. Haag at Louisiana State University. This is explained in a memorial by Posey.]
Even after his move to anthropology, Posey did not cut his ties with entomology. At the University of Georgia, he was a close associate of entomology professor Murray S. Blum. Years afterward, he continued to research the ethnobiology of insects, a field he termed "ethnoentomology" in his 1979 doctoral thesis.

Kayapó studies

Arriving in Brazil in 1976, Posey made lasting friendships with researchers at the Museu Paraense Emílio Goeldi, in Belém, and the Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, in Manaus.
After his graduate studies, Posey returned to Brazil in 1982, as a professor in the Department of Biology at the Federal University of Maranhão in São Luís, then reorganized under the chairmanship of geneticist Dr. Warwick E. Kerr. He mounted an interdisciplinary ethnobiological research project, called the Kayapó Project, that would eventually involve over 30 specialists in fields such as agronomy, botany, entomology, plant genetics, astronomy, soil sciences, human geography, anthropology, and linguistics. To document the extensive traditional biological knowledge of the Kayapó Indians, Posey and collaborators spent months in the field with Kayapó specialists such as chiefs Uté, Toto-i, Kanhunk, and Paiakan. Pajés Beptopup and Kwyre-ka also offered their experience. Many conferences with scientific and indigenous project participants served to disseminate project results, especially at Brazilian scientific conclaves.
The Kayapó Project continued when Posey relocated in 1986 to the Goeldi Museum in Belém, Brazil, at the invitation of museum director Dr. Guilherme M. de La Penha. In 1988 he organized the First International Congress of Ethnobiology, in Belém, during which the Kayapó Project and its results were highlighted. Although the term "ethnobiology" had been used in the past for a different idea, Posey adopted this for his study of indigenous and folk knowledge about plants, animals, and ecosystems. To designate other areas of indigenous and folk knowledge, the term "ethnoscience" can be used in an analogous manner. In the past, anthropology had been wed to biology in the unholy union of biological determinism, in which Man is treated wholly without culture or the ability to learn. Posey reputiated this view and dared to see indigenous and folk societies as the inheritors of a vast corpus of useful knowledge for the sustainable utilization and management of natural resources. As can be seen in his review of Diamond's best-seller Guns, Germs and Steel: The Fates of Human Societies in 1999, Posey would have biological determinism laid to rest. After all, where can one find human groups without culture?
Posey's concept
For ethnobiology to be scientific, testable hypotheses are generated from information offered by indigenous and folk informants. The emic-etic filter has to be respected, and a decoding of traditional knowledge is necessary to bridge the two cultures. Field research methods
Participant-observation in the field with indigenous and traditional communities was always part of Posey's work plan. Interviews with informants were always unstructured and conducted according to the generative method, specifically designed not to elicit information offered in support of researchers' perceived biases.
Examples from Posey's work
Do the Kayapó Indians manage their natural resources? Do they plant forest islands in the savanna? Do they recognize eco-zones and know what resources are to be found in each? Is their agriculture sustainable? Their hunting? What about their medicine? Does what they know constitute a science?
In his activism, Posey incurred opposition not only from those who would exploit natural resources belonging to Indians but also from scientists and academics who were callous in their disregard for indigenous intellectual property rights. One Brazilian weekly news magazine, Veja, referred to him as a "gigolo of the Indians" for his defense of Indians' human and civil rights.
Indian lands
Posey's support for indigenous peoples brought him into conflict with the Brazilian government in 1987, when Paiakan and Kube-l, two young Kayapó leaders he was accompanying in Washington, D.C., complained to World Bank officials of a planned hydro-electric dam on the Xingu River that would flood Indian lands. The threat of criminal prosecution from the federal government against Posey and the Kayapó chiefs, for interfering in Brazilian foreign affairs, caused a public outcry both in Brazil and abroad.
In February 1989, Darrell helped organize the "First Meeting of the Indigenous Peoples of the Xingu", the first joint meeting of Amazonian tribes to protest the destruction of the forest, in Altamira, Pará. This event focussed on hydro-electric dams on the Xingu River and caused these ecologically disastrous projects to be cancelled or at least reformulated. In 2008, however, these once-discarded projects are again being proposed by the Brazilian government, with slightly different packaging.
In 1992, Posey was the main organizer of the Earth Parliament, a parallel event at the United Nations' Rio de Janeiro Conference on the Environment (Rio Earth Summit), aimed at valuing indigenous knowledge and rights. The Earth Parliament was a 15-day assembly of indigenous and minority groups held during the 1992 Earth Summit.
Biodiversity conservation For Posey, indigenous knowledge was a key to the sustainable use of natural biotic resources. Major Indigenous intellectual property rights
Like collective rights to land, Indians and other traditional societies have collective intellectual property rights (IPR) to their knowledge. Posey championed the cause of indigenous and folk intellectual property rights during the last decade of his life.
Bioethics of ethnobiology
Western society has appropriated indigenous and traditional knowledge without recompensation or even recognition. Posey questioned whether scientific research, even of the most disinterested sort, might not lead to the violation of indigenous intellectual property rights or bio-piracy.
Posey was a full researcher ("Pesquisador Titular") for the Brazilian National Council for Science and Technology at the Goeldi Museum, Belém, Brazil. He was Director of the Programme for Traditional Resource Rights of the Oxford Centre for the Environment, Ethics and Society and a Fellow of Linacre College, at the University of Oxford. He was Founding President of the International Society for Ethnobiology and was President of the Global Coalition for Bio-Cultural Diversity, under whose auspices he founded the Working Group on Traditional Resource Rights which he coordinated. He was the first recipient of the Sierra Club's "Chico Mendes Award for Outstanding Bravery in Defense of the Environment", and in 1993 he received the United Nations Global 500 Award for "Outstanding Achievement in Service to the Environment."
He had few formal students in Brazil or elsewhere, but his impact as a teacher is remembered by many who later became ethnobiologists. He presented many talks in Brazil and other countries, and his work was featured in several films and videos.
The International Society of Ethnobiology (ISEB) created the "Darrel Posey Fellowship" in order to "promote understanding of peoples' complex and dynamic relationship with their environment, and supports indigenous peoples and local communities working to sustainably manage, and security rights to, their environments and resources. The Darrell Posey fellowship for ethnoecology and traditional resource rights was launched in 2004 with a grant from the Christensen Fund, and is administrated by the International Society of Ethnobiology, of which Darrell Posey was a founder."
The June 2008 11th International Congress of Ethnobiology in Cusco, Peru, will explicitly explore the Darrell A. Posey legacy in a session titled "Ethnobiology and Traditional Resource Rights: Darrell Posey's Legacy." This session will celebrate Darrell Posey's many contributions and influences in the field of ethnobiology over the past several decades, both direct and indirect.
When Western scientists and other academics listen respectfully and learn at the feet of indigenous and traditional leaders, Posey's legacy will become reality.
==============

Agosto de 2014

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Série livros sobre a Amazônia - BEM TE VI, AMAZÔNIA - Jurema Finamour

A notável jornalista e escritora Jurema Yari Finamour conseguiu, entretanto, ter acesso ao material da CPI e reuniu as informações no livro Bem te vi, Amazônia, prefaciado por Barbosa Lima Sobrinho, revelando que em meados da década de 60 um quinto do território brasileiro, ou 1,7 bilhão e 700 milhões de metros quadrados já tinha sido vendido a estrangeiros. Era, ao menos, o que dizia o próprio ministro da Justiça da administração Costa e Silva, o advogado Luiz Antônio da Gama e Silva, que promoveu investigações para apresentar ao Legislativo, indicando que, na ápoca, os maiores proprietários de terras eram a Wancashira Inc (978 mil hectares), Daniel Jeres (427 mil hectares), James Bryan (232 mil hectares), Peter Cornelius (205 mil hectares) e Foivhiro Miamoto (139 mil hectares).  E autora também das obras:  Coréia sem paz; Quatro semanas na União Soviética; Vais bem Fidel; Precisa-se de uma rosa: crônica da cidade grande, 1939-1940;  Cozinha se aprende - gastrotecnia; e a autobiografia: A mulher que virou bode. Em 1956, Jurema viajou pela China, e o relato desta sua viagem encontra-se no livro China sem muralhas.

Fontes: http://www.anovademocracia.com.br/no-23/708-cade-o-brasil-que-estava-aqui
 




FINAMOUR, J. Bem te vi, Amazônia. 1 ed. Aparecida: Editora Santuário, 1991. 302 p. ISBN 85-7200-048-8   

Capa
Adicionar legenda

 ___________________________________

Outros livros de Jurema Finamour

 Pablo e Dom Pablo

Livro Pablo E Dom Pablo Neruda - Jurema Finamour
Adicionar legenda



Nascido em 1904, na cidade de Parral. Morto em 1973, na capital Santiago. Poeta dos mais editados em todo o mundo ― "o mais lido desde Shakespeare", segundo seu biógrafo Alastair Reid ―, senador da República pelo PC chileno, embaixador na França, Nobel de literatura em 1971. Esse é o Pablo Neruda na Wikipedia em espanhol.

Mau caráter. Birrento. Conquistador vulgar. Opressor da esposa. E por aí vai. Esse é o Pablo Neruda no livro de memórias de Jurema Finamour.

Mas a Wikipedia, dirão, é mundialmente aceita como fonte de informações completas e acuradas, muitas vezes, consensuais. Por outro lado, essa Jurema Finamour, quem é ela? Jornalista brasileira, foi secretária de Pablo durante muitos anos. Escreveu o romance Precisa-se de uma rosa, "uma afirmação literária a que não podem ficar indiferentes os que se interessam pela arte e pela vida", segundo Nelson Werneck Sodré, seu amigo. Depois, apareceu com Pablo e dom Pablo (Nórdica, 1975), um ótimo trabalho de jornalismo e exemplo de boa prosa, onde almeja "destruir o mito Neruda": "estamos cansados de oportunistas fantasiados de santos, de vaidosos egocêntricos com máscara de humanistas!"

Não espanta que o livro esteja há muito tempo fora de catálogo, confinado em sebos, e que sua autora tenha sido posta no limbo pela, digamos assim, intelligentsia nacional. É difícil até mesmo encontrar suas mais básicas informações biográficas na internet. Em outros países, é comum a edição e reedição de obras que desafiam mitos, nacionais ou regionais ou mundiais. Mas o Brasil é um país de mitômanos ― sobre Neruda, você encontra nas livrarias algumas biografias, mas nada criticamente próximo a Pablo e dom Pablo.

A fã
Em 1943, Jurema tem o primeiro contato com a poesia de Pablo, apresentada por um amigo. Foi amor à primeira vista. Conta ela em suas memórias: "Eu era, indubitavelmente, uma felicíssima 'inocente do Leblon'! Inocente total: de vida e morte. Mas, com tanta poesia louca-de-pedra, acabei drummonianamente nerudófila: mentecapta."

Um ano depois, consegue uma passagem com o embaixador chileno, e viaja para entrevistar Neruda para o jornal Diretrizes. Quando a entrevista, de ídolo para fã, é publicada, Jurema já está de volta ao Brasil e é funcionária do governo de Getúlio Vargas, servindo no Gabinete Civil da Presidência da República. Na verdade, ela acabaria sendo uma das primeiras divulgadoras, se não a primeira, da obra do então desconhecido Neruda aqui "neste vasto Brasil de vastíssima ignorância latino-americana", ao trazer do Chile, na bagagem, cem exemplares de livros seus, que iria deixar em livrarias-chave da cidade ― "Com a entrevista em Diretrizes e os livros nas livrarias", escreve, "Pablo Neruda passa a ser um dos nossos."

Durante a primeira e ruidosa viagem de Neruda ao Brasil, Jurema já o serviu como secretária, ao recepcioná-lo e à (segunda) esposa, Delia del Carril, e ciceroneá-lo em encontros com comunistas e em comes-e-bebes burgueses, demasiado burgueses. Em troca, não recebeu nenhum pagamento ― ainda era uma fã embevecida.

Então, vem o Golpe de 1964. Com ele, o exílio de Jurema no Uruguai e, em seguida, no Chile, de onde recebera convite de Neruda para ser sua secretária, dessa vez de forma mais profissional. A confortável casa do poeta ficava numa localidade a três horas de Santiago, chamada Isla Negra, nome mais do que adequado para os maus bocados por que passariam Jurema Finamour e os outros empregados.

"Brasil es un país de cobardes!"
Logo nos primeiros dias, Pablo faz saber à recém-contratada que "o Brasil é um país de covardes", que não se opuseram mais ferreamente aos militares, optando por fugirem do país. Arrogante, senhorzinho da razão, menospreza os exilados brasileiros no Chile que mendigam por seu autógrafo: "Aos derrotados não se deve jamais estender a mão!". Em 1949, durante o governo de González Videla, ele também foi obrigado a fugir (ou melhor, exilar-se, quem foge são os covardes brasileiros) de cavalo para a Argentina, de onde partiria para a Europa, ao invés de ficar e lutar ao lado do Povo; mas não importa.

Não havia moleza para os empregados em Isla Negra. Jurema fazia as refeições com lápis e caderneta a mãos, "porque sempre nosso Pablito, avivada a memória com o vinho tinto aquecido, e distendidos os nervos com o prazer da refeição, entregava-se todo a fantasias e não se cansava de descobrir, nos mais recônditos recantos da memória, algo que lhe escapara, que passara desapercebido, que fora esquecido..."

Nessa época, Pablo já estava casado com Matilde Urrutia, uma mulher que parecia de caráter ainda mais rabugento que o do marido, que, no entanto, nunca contrariava seus caprichos. "Entre sete e oito horas", lemos, "antes do último expediente, dado pelo poeta no living, ela me enviava, à guisa de consolo e de jantar, um pobríssimo lanche constituído de um tezito e o pãozinho redondo que, às vezes, continha um pedaço de queijo ou, mais raramente, uma fina, finíssima fatia de carne". A degradação era tanta que, meses depois, ao visitar um médico amigo que nada lhe cobra, Jurema é avisada de que "teu estado de subnutrição é tão grande, que se continuares em Isla Negra ou mesmo no Chile, não teremos condições de tratar-te. Aconselho-te ires de imediato para a Alemanha", onde ela tinha amigos, mas para onde, por questões financeiras e diplomáticas, não poderia ir, pelo menos por enquanto.

E olha que Yuremita, como a chamava Pablo, ocupava o posto de secretária! Calcule então o que não sofriam os outros poucos e mais humildes empregados, que viviam praticamente em regime de cárcere privado. "Imagine, señora", diz um deles, "que com o que ganho, com a miséria que ganho, devo pagar até meu café da manhã." Certo dia, ao viajarem para uma cidade próxima, o casal Neruda deixou Jurema de cama em Isla Negra, com uma forte gripe, sem medicamento e sem comida. Ou melhor, até havia remédio na casa, mas o mesmo empregado que fizera a confissão acima informou que a patroa os mantinha trancados e longe do alcance do restante dos moradores.

Entre outras más feitorias, Pablo e Matilde não repassavam a Jurema as cartas que chegavam do Brasil, de seu pai, irmão e de Nelson Werneck Sodré.

Amor aos exilados
Tanto batente por tão pouco salário. Corria por todo o Chile, em boca nada pequena, que seu Poeta Maior pagava os menores salários da nação. É até possível que os funcionários aliciados pelas impiedosas multinacionais ianques recebessem mais do que aqueles às ordens do escritor socialista. Que achava natural que uma exilada trabalhasse o quanto fosse por quanto fosse sem nada reclamar. "Ele não escondia mesmo", relata Jurema, "que achava ridículo alguém, na condição de exilada, almejar a um conforto burguês. Aliás, condição da qual ele jamais abriu mão, mesmo em casas alheias..." Certa feita, ainda em terras chilenas, uma artista plástica perguntara a Jurema por que Pablo não contratava o serviço de chilenos, e ela mesma respondeu: "É porque nós o conhecemos de sobra!"

Anos depois, um estudante da Guatemala exilado na Alemanha contaria à autora de Pablo e dom Pablo: "Fui apresentado a P. N. por seu amigo M. A. Astúrias [escritor guatemalteca]. Quando eu saíra da Guatemala tinha o corpo todo quebrado pelas sucessivas surras que me aplicara a polícia... (estou aqui me tratando da espinha que tenho afetada por essa violência). En passant pelo Chile, no meu exílio, fui por um mês secretário de P. N. Nem quero recordar o que passei. É o homem mais execrável e orgulhoso que jamais conheci... não me faz bem lembrar, eu o odeio de morte!"

Com os dissabores pelos quais passava, Jurema Finamour perde a fé que tinha na bondade, na humanidade, de Pablo. Dissabores como ter o poeta a poucos metros, gargalhando de sua situação vexaminosa, ao ser acossada por um cão raivoso. "Nunca eu deveria ter vindo ao Chile. Isso era o pior que poderia me acontecer: perder o respeito pelo poeta. Um duro desamor crescia em mim. Que impressão me fará reler agora a minha, e sua, tão admirada "Ode a la pobreza": "...junto a cada pobre me encontrarás cantando..."?

A agonia de Jurema só teve fim quando ela conseguiu um muito suado visto para a Alemanha, onde ficaria na casa do casal de amigos Anamaria e Thiago.

A vida e a obra de um escritor
Há outro nome que precisa com urgência ter seus livros reeditados nestes trópicos que, por outro lado, costuma desperdiçar papel com mediocridades internacionalmente reconhecidas: Leo Gilson Ribeiro, falecido no início do ano passado. Crítico literário arguto na percepção e soberbo na escrita. Além de Cronistas do absurdo (José Alvaro Editor, 1964), sobre escritores de língua alemã, ele escreveu também O continente submerso (Best Seller, 1988), com entrevistas, resenhas e artigos que desvendam a literatura da América de língua espanhola. Ambos encontráveis apenas em sebos.

Leo trabalhou com Mino Carta no início da revista Veja, colaborou com jornais paulistas, foi professor de literatura brasileira na Alemanha e, embora seu último emprego tenha sido nas páginas da revista Caros Amigos, é fácil perceber que não foi um autor facilmente digerível para certo setor da esquerda. Suas críticas sem concessões, tanto ao totalitarismo do "mundo livre" quanto ao do "mundo socialista", nunca repercutiam bem entre adoradores de coisas como a Revolução (anti) Cultural chinesa. Não obstante, esperamos que alguma editora nacional tenha bom gosto e senso de realidade suficientes para reimprimir os dois livraços de Leo Gilson.

Pois bem. No capítulo de O continente submerso dedicado a Pablo Neruda (capítulo, aliás, onde eu fiquei sabendo da existência do livro de Jurema Finamour, "precioso, indispensável e responsável"), o autor lembra da importância de se dissociar um escritor, quer dizer, sua vida, de sua obra, em nome da boa análise. Lembra ele que "há na história das artes e do pensamento inúmeros casos de monstros que foram artistas admiráveis", e cita, entre outros, Arthur Rimbaud, que foi traficante de escravos, e o poeta Ezra Pound, que deu uma mãozinha ao fascismo.

Entendo a idéia, mas fico me perguntando até que ponto poderíamos estendê-la. É verdade que a mim pouco interessa que Coetzee tenha ou não o hábito de andar de bicicleta; consta que ele anda, mas, se não andasse, não deixaria de ser meu escritor preferido. Por outro lado, pense numa hipótese extrema: suponhamos que, enquanto Hitler matou judeus, negros, deficientes, gays e o que mais, ele tivesse escrito cinco fabulosos romances, mais duas deleitosas coletâneas de crônicas e um volume reunindo sua poesia completa, originalíssima. Poderia a Academia sueca ter-lhe, nessas condições, outorgado, lá pelo ano de 1940, o Nobel de literatura? Por que não? Afinal de contas, se é a obra que importa...

Mesmo um exemplo factual, longe do extremo e hipotético elaborado acima, deixa claro o quão é difícil separar o histórico de vida de um escritor de sua produção, ou pelo menos de como vemos essa produção. Em 1959, o alemão Günter Grass publicou O tambor, uma das críticas mais acerbas à Alemanha nazista. A obra alavancou sua carreira e, em grande parte devido a ela, em 1999 Grass ganhou o Nobel. No entanto, em 2006 ele lançou o livro de memórias Nas peles da cebola, onde, de raspão, como quem não quer fazer muita celeuma, confessa que pertencera à Waffen-SS, a execrável polícia nazista. Nem por isso, as resenhas e análises já publicadas sobre O tambor foram tiradas das prateleiras de bibliotecas, livrarias e dos arquivos da imprensa para serem alteradas, o que de resto só poderia acontecer na Oceania de George Orwell. Mas o fato é que, tivesse Günter Grass revelado ter sido membro de uma instituição nazista antes de publicar O tambor, certo como o pôr do sol é que os comentários sobre este romance inevitavelmente se fariam à luz de seu passado sombrio (e conhecido). Alguém aí duvida?

Ou imagine, ainda, que a autoria de livros como Portnoy's complaint e Letting go, em que a comunidade judaica dos EUA não sai nem um pouco boa no retrato, tenha sido, não do judeu Philip Roth, mas de algum estadunidense mulçumano antijudeu (!). Alguma dúvida de que esses romances seriam encarados como algo muito diferente de uma bem-vinda autocrítica?

E, como prova cabal de que a vida de um escritor inevitavelmente influencia a maneira como sua obra é lida, basta citar que há muitos deles que levam para a tumba segredos não revelados nem mesmo em autobiografias e biografias "definitivas". Pra não falar nos que evitam ao máximo a exposição pública ― citemos o curitibano Dalton Trevisan, para ficar em um nome de peso.

De qualquer jeito, segundo Leo Gilson Ribeiro, essa dissociação que ele vê às vezes tão necessária, ainda que sempre problemática, entre o homem e sua obra não causa dores de cabeça no caso do poeta Pablo Neruda: aqui, ambos, obra e homem, são medíocres.

A rainha e o poeta
Neruda, segundo Jurema Finamour em Pablo e dom Pablo, tinha muito medo de que alguém lhe tomasse o posto de Maior Poeta da América, título em cuja validade ele acreditava antes de mais ninguém. Assim é que, em uma entrevista, ao falar sobre os bons poetas contemporâneos, não cita o nome do argentino Armando Tejada Gomes, sobre o qual ele tecia grandes elogios... em particular.

Colocar-se no pedestal e evitar concorrência fazia parte de seu projeto de vencer o Nobel, o que acabou acontecendo em 71. Ninguém batalhou mais para que esse prêmio fosse para Neruda do que ele próprio. Nos anos anteriores, vinha fazendo lobby ante a academia e o governo chileno, para que apoiassem sua candidatura.

Entre um lobby e outro, escrevia às pencas ― o que não deixava de ser mais uma forma de auto-propaganda desse "pseudo-poeta" (termo de Leo Gilson) ― artigos para jornais e revistas de países socialistas, aqueles conhecidos pela pluralidade e riqueza de opiniões. Informa sua ex-secretária que "ele os fabricava facilmente porque era um palavrório frouxo, que se arrastava pelas coisas, pelas inumeráveis coisas do Chile: seu processo eleitoral, suas lutas, suas andanças, suas loucas geografia, geologia, fauna e flora (...) Chamava-os, pomposamente, mis artículos, mas não passavam de corriqueiras crônicas que eu não sei por quem seriam lidas... e para que serviam?" Ora, Jurema, serviam, antes de mais nada, para que os dirigentes das ditaduras comunistas proprietárias dos jornais mostrassem ao Povo como seu sistema contava com simpatizantes... no exterior. (Lembro agora de Paulo Francis escrevendo que quando Gorbachev enfim convocou eleições livres na URSS, nenhum comunista foi eleito.)

É importante informar que, em casa, Neruda tinha seu próprio jornal de estimação, o El Siglo. Esse veículo cobriu o sexagésimo aniversário do poeta com a empolgação de quem cobria, sei lá, a chegada do homem à lua, ou quem sabe a própria descoberta da América.

A propósito, as páginas de Pablo e dom Pablo que descrevem a incrível farra que foi o aniversário de sessenta anos do Poeta Maior são simplesmente imperdíveis. Logo nos preparativos, os empregados do casarão trabalharam como burro ladeira acima, e também durante o evento. E depois, claro. Pablo recebeu muitos presentes, mas um em particular lhe deixou à beira das lágrimas: um bumbo com bordas vermelhas até então pertencente às forças reais da rainha da Inglaterra, e que lhe foi entregue pessoalmente por súditos de Sua Majestade. Emoção além da conta, esse brinde vindo do outro lado do mundo, de uma das monarquias mais conservadoras de que já se teve notícia. "Que surpresa extraordinária para um poeta do povo", ironiza Jurema.

O triângulo amoroso
Como dissemos, quando Jurema conheceu Pablo, este já estava em seu segundo casamento, com Delia del Carril. Acontece que, já naquela época, Matilde Urrutia era, digamos, assessora de Neruda, e corria rumores de que mantinha um caso com ele. Se faltava algo para esses rumores se confirmarem, ele veio com a futura separação de Pablo com Delia e seu terceiro casório, com Matilde.

Certo, artistas, talvez um pouco mais que o resto de nós, casam, traem, casam de novo, reincidem, trecasam e por aí vai. Só que, no caso de Neruda, também nesse campo o buraco é mais em baixo. Ao se separar de Delia, ele a deixou na pindaíba, o que causou indignação em todo o país. O pior é que, ao casarem-se, a dona da fortuna era ela, e não ele, que, tudo indica, não achou ruim refestelar-se com o dinheiro da parceira.

Quer mais? Pois saiba que em algumas ocasiões o poeta gostava de humilhar a atual esposa na frente da amante e futura esposa Matilde. Na Alemanha, uma senhora francesa disse a Jurema que, numa reunião em Paris, "Pablo obrigava Delia a dançar, ali diante de todos nós. Aquela pobre Delia envelhecida, humilhada, acabrunhada pelo desespero, sendo obrigada a dançar diante dos amigos... e da amante do marido."

Matilde, com a aquiescência do agora esposo Neruda, passou a gerenciar de forma canina os afazeres daqueles que trabalhavam para o marido, "e se alguém se opunha aos caprichos do casal", escreve Jurema, "era logo rotulado de 'estranho', de 'insociável', e desencadeava um ódio irracional". De caráter explosivo, certa vez insultou e mandou embora dois amigos que foram a Isla Negra com um punhado de roupas usadas para doar a Jurema e ao cozinheiro Juan.

Tempo ao tempo
"Mira", comentou um dia Pablo a sua serviçal, "vives uma ocasião excepcional, no Chile, centro de lutas da América, em Isla Negra, minha casa... É assunto inesgotável que interessaria aos jornais de qualquer país..."

A indireta foi tão direta que Jurema demorou apenas uma fração de segundo para perceber que o patrão queria usá-la como (mais um) meio de propaganda. "Eu começava a entender", lemos na página 90, "depois de algum tempo na Isla, a intensidade e o quase impudor com que se autopromovia Pablo Neruda. Em nenhum minuto sequer era negligenciado o binômio: poesia-propaganda."

"Sim, Pablo", ela respondeu, "um dia eu escrevo sobre sua vida em Isla Negra, mas dê tempo ao tempo... quando eu puder respirar."

Pois deu tempo ao tempo, respirou e, em 1975, publicou Pablo e dom Pablo


Fonte:Digestivo Cultural


______

Agosto de 2014

domingo, 24 de agosto de 2014

Sériel Livros sobre a Amazônia - A AMAZÔNIA QUE EU VI - Gastão Cruls

Gastão Cruls (Rio de Janeiro, 4 de maio de 1888ibid., 7 de junho de 1959) foi médico e escritor. 

Foi um dos fundadores da Editora Ariel. Gastão que tinha escrito um livro anterior sobre a Amazônia (A Amazônia Misteriosa) sem conhecer a Amazônia, com base apenas em literatura. Depois veio a escrever este livro (A Amazônia que eu vi) após fazer uma excursão a Amazônia, acompanhando uma excursão militar de Óbidos na região do atual Parque Nacional do Tumucumaque.


_____________________________________

Edições

 

Gastão Crulz. A Amazônia que eu vi - Óbidos - Tumucumaque. 1 Edição. Editora Anuário do Brasil. São Paulo. 1930. 362 p

 

 

Gastão Crulz. A Amazônia que eu vi - Óbidos - Tumucumaque. 1 Edição. Editora Anuário do Brasil. São Paulo. 1930. 362 p

 

 

 ___________________________

 Gastão Crulz. A Amazônia que eu vi - Óbidos - Tumucumaque. 2 ed. Companhia Editora Nacional.  Serie 5ª Brasiliana, v. 113. São Paulo. 1938. 337 p.

 

 

Gastão Crulz. A Amazônia que eu vi - Óbidos - Tumucumaque. Companhia Editora Nacional. São Paulo. 1938. x p.

 

 

______________________

Gastão Crulz. A Amazônia Que Eu vi Óbidos-tumucumaque Coleção Brasiliana Série 5 Volume 113 - 3ª Edição Ilustrada Revista pelo autor e acrescida de uma carta do General Rondon e de um índice remissivo. Acompanha pequeno Mapa do Rio Cuminá.  1945. 335 p.

 

 

_________________________

 

Gastão Crulz. A Amazônia Que Eu vi Óbidos-tumucumaque.  Companhia Editora Nacional. São Paulo. Coleção Brasiliana Série 5 Volume 113 - 4ª Edição.  1945. 331p.

 

 

Gastão Crulz. A Amazônia Que Eu vi Óbidos-Tumucumaque.  Companhia Editora Nacional. São Paulo. Coleção Brasiliana Série 5 Volume 113 - 4ª Edição.  1945. 331p.

 

 ____________

 

Gastão Crulz. A Amazônia Que Eu vi Óbidos-tumucumaque. Coleção Sagarana, v. 98. Livraria José Olympio - Instituto Nacional do Livro. Rio de Janeiro - Brasília.  5ª Edição.  1973. 188 p. Carta do General Rondon e Prefácio de Roquete Pinto.

 

 

Gastão Crulz. A Amazônia Que Eu vi Óbidos-tumucumaque.  Livraria José Olympio - Instituto Nacional do Livro. Rio de Janeiro  - Brasília.  5ª Ed.  1973. 188 p.

______________________

 

 Link para a Edição da Coleção Brasiliana: A Amazônia que eu vi Obídos - Tumucumaque

__________

Agosto de 2014

domingo, 17 de agosto de 2014

Hans Staden - Viagem ao Brasil - Duas viagens ao Brasil


Hans Staden (Homberg (Efze), c. 1525Wolfhagen, c. 1579) foi um aventureiro mercenário alemão do século XVI

 

Por duas vezes, Staden esteve no Brasil, onde participou de combates nas capitanias de Pernambuco e de São Vicente contra navegadores franceses e seus aliados indígenas e onde passou nove meses refém dos índios tupinambás. De volta à Alemanha, Staden escreveu "

História Verdadeira e Descrição de uma Terra de Selvagens, Nus e Cruéis Comedores de Seres Humanos, Situada no Novo Mundo da América, Desconhecida antes e depois de Jesus Cristo nas Terras de Hessen até os Dois Últimos Anos, Visto que Hans Staden, de Homberg, em Hessen, a Conheceu por Experiência Própria e agora a Traz a Público com essa Impressão

 ": um relato de suas viagens ao Brasil que se tornou um grande sucesso editorial da época. 

Fonte: wikipedia



















EDIÇÕES BRASILEIRAS






1930 - Viagem ao Brasil  - 1ª Ed. - Officna Industrial Graphica- Rio de Janeiro - Brasil - x p.

______________________

 

 

 

1955 - Viagem ao Brasil  - 2ª Ed. - Coleção Estudos Brasileiros - Série Cruzeiro, vol. 10. Livraria Progresso Editora. - Salvador - 273 p.

___________________________

 

STADEN, Hans: Duas Viagens ao Brasil
Adicionar legenda


1974 - Duas Viagens ao Brasil - ª Ed. - Ed. Itatiaia - Belo Horizonte - Brasil - 216 p.  Tradução de Guiomar de Carvalho Franco / transcrito em alemão moderno por Carlos Fouquet. Introdução e notas de Francisco de Assis Carvalho Franco. Trata-se de "reprodução fac-similar da excelente tradução de Guiomar de Carvalho Franco.


Esta obra está dividida em duas partes. A primeira narra a chegada do viajante ao país e sua captura pelos índios. Organizada com muita objetividade, a narrativa envolve o leitor com a sucessão de peripécias que compõem o relacionamento entre Staden e os tupinambás. A segunda descreve, com precisão etnográfica, os nativos e seu modo de vida, tornando o autor, juntamente com seu contemporâneo, o francês Jean de Léry, uma das principais fontes históricas e antropológicas acerca dos indígenas.


_____________________



STADEN, Hans: Duas Viagens ao Brasil
Adicionar legenda

 

2000 - Duas Viagens ao Brasil (Warhafrig Historia and Bescbreibung enner Landt) - 1ª Ed. - Ed. Beca - São Paulo - Brasil - 196 p. - 400 g.

 

___________

STADEN, Hans: Hans Staden
Adicionar legenda

 2005 - Hans Staden - Um Aventureiro no Novo Mundo - 1ª Ed. - Ed. Conrad - São Paulo - Brasil - 80 p. - 150 g. 

 Esta edição do texto clássico de Hans Staden é composta de um livro e de um CD-ROM. Optamos pela tradução de Alberto Löfgren, feita em 1900 a partir do original de Marburg de 1557. 'Tendo o ilustrado Dr. Eduardo Prado adquirido em Paris um exemplar, original da primeira edição de Marburg, de 1557, começamos a comparar este original com a tradução portuguesa e chegamos à conclusão de que talvez houvesse vantagem em dar uma nova edição deste livro tão interessante para a nossa história.' Alberto Löfgren

 ___________________________

 

 

Adicionar legenda




2007 - Hans Staden - História de Duas Viagens ao Brasil - Warhaftige Historia Zwei Reisen Nach Brasilen (1548-1555 - Instituto Martius Staden -  São Paulo - Brasil - Edição Bilingue. 409 p.

 __________________________________



Adicionar legenda


1999. VERDADEIRA HISTÓRIA DOS SELVAGENS, NUS E FEROZES DEVORADORES DE HOMENS (1548-1555). DANTES EDITORA.  300 p. ISBN-13: 9788586488033. Tradutor. Pedro Süssekind. 


 
Resenha:
"A VERDADEIRA HISTÓRIA DOS SELVAGENS, NUS E FEROZES DEVORADORES DE HOMENS, ENCONTRADOS NO NOVO MUNDO, A AMÉRICA, E DESCONHECIDOS ANTES E DEPOIS DO NASCIMENTO DE CRISTO NA TERRA DE HESSEN, ATÉ OS ÚLTIMOS DOIS ANOS PASSADOS, QUANDO O PRÓPRIO HANS STADEN DE HOMBERG, EM HESSEN, OS CONHECEU, E AGORA OS TRAZ AO CONHECIMENTO DO PÚBLICO POR MEIO DA IMPRESSÃO DESTE LIVRO "
Viagens ultramarinas, naufrágios, selvagens, lutas e canibalismo. Hans Staden narra os acontecimentos com simplicidade e nos faz imaginar o Brasil do séc.XVI, através do olhar dos primeiros que aqui estiveram. É um relato cheio de peripécias nessa terra ainda desconhecida, cenário de aventuras verídicas e extraordinárias.
Hans Staden foi um arcabuzeiro alemão que fez duas viagens ao Brasil entre 1547 e 1555. A primeira foi num navio português que comercializava o pau-brasil. Na segunda viagem o destino era o Rio da Prata. Essa expedição foi interrompida pelo naufrágio do navio e de sua tripulação em Santa Catarina. Hans Staden se salvou. Depois de longa jornada, chegou em Bertioga e ficou encarregado de proteger o Forte Santo Amaro das ofensivas dos inimigos. Mas um dia foi surpreendido pelos tupinambá. Aliado dos franceses, esses índios eram canibais prontos para devorar os portugueses que tentavam escravizá-los. Hans Staden foi confundido com um português e passou nove meses em cativeiro entre os selvagens. Durante todo esse tempo, ele viveu na tribo, observou os costumes indígenas e usou de artimanhas para driblar aqueles que queriam devorá-lo. Em 1555 voltou para a Europa num navio francês e escreveu o livro.




_________________________________


Adicionar legenda


 2013 - Duas Viagens ao Brasil -  L & PM - Porto Alegre - Brasil.  Coleção L & PM Pocket. 192 p. Tradução de Angel Bojadsen. ISBN 978.85.254.1733-6



Resenha: Duas vezes em meados do século XVI, o mercenário e arcabuzeiro alemão Hans Staden (c. 1524-c. 1576) aportou nas costas do recém-descoberto Brasil. A primeira, em 1549, passando por Pernambuco e pela Paraíba, e a segunda, em 1550, quando chegou na ilha de Santa Catarina, dirigindo-se posteriormente à capitania de São Vicente, no litoral sul do atual estado de São Paulo. Na segunda viagem, como viera a bordo de um navio espanhol, foi preso pelo governador-geral, o português Tomé de Sousa, e em seguida capturado pelos índios tamoios, inimigos dos tupiniquins e dos portugueses e aliados dos franceses. O jovem Staden viveu para contar o que viu: paisagens virgens, riquezas inexploradas e a prática ritual do canibalismo, do qual por muito pouco não foi vítima. O livro com o seu relato foi publicado em 1557, em Marburgo, Alemanha, ilustrado por xilogravuras anônimas (reproduzidas nesta edição) baseadas nas suas descrições, e imediatamente tornou-se um best-seller em toda Europa. Trata-se da mais acurada e impressionante descrição do banquete antropofágico – o festim canibal praticado pelos povos Tupi. É, também (junto à Carta de Pero Vaz de Caminha) umas das primeiríssimas reportagens realizadas sobre os povos que viviam no que viria a ser o Brasil, um eletrizante relato feito por, como diz Eduardo Bueno no prefácio, "um estrangeiro em um mundo estranho". 

Fonte: L & PM

____________________________________



Hans Staden - Viagens e Aventuras no Brasil -
Adicionar legenda


 2005 - Viagens e aventuras no Brasil -  Melhoramentos. 96 p. Tradução de Luis Antônio Aguiar. ISBN 8506011744



________________________________


Aventuras de Hans Staden" é um livro infantil de autoria de Monteiro Lobato, publicado em 1927.

Monteiro Lobato havia publicado em 1925 o livro "Meu cativeiro entre os selvagens do Brasil", escrito pelo europeu Hans Staden, relatando o período em que havia sido prisioneiro dos índios tupinambás, no início do século XVI. Monteiro Lobato então lançou, em 1927, uma versão do mesmo livro, só que as aventuras são narradas por Dona Benta para os seus netos.
icionar legenda





Aventuras de Hans Staden
Adicionar legenda




Adicionar legenda







Adicionar legenda




Adicionar legenda




Adicionar legenda









Adicionar legenda

________________________________________________________





As aventuras de Hans Staden
Hans Staden, um alemão que fora aprisionado pelos tupinambás no litoral fluminense, em 1554, depois de ter voltado para casa, escreveu, provavelmente, um dos primeiros best-seller sobre o Novo Mundo. Sua narrativa, tantas vezes editada entre nós, não só teve agora uma bem ilustrada nova impressão, como serviu de roteiro para um filme que ora ganha cartaz no Brasil inteiro.

Staden cai prisioneiro dos tupinambás
A captura: imaginem ser capturado no Brasil do século 16 por um aborígine chamado Nhaepepô-açu ,"Panela Grande", e, pior ainda, ser dado em seguida de presente a um outro, de nome Ipirú-guaçu, o "Tubarão grande"! Nada de esperançoso, pois, aguardava o pobre Hanz Staden, um alemão do Hesse que, embarcado para cá, caíra aprisionado pelos tupinambás, no ano de 1554.

Não satisfeitos em ameaçar devorá-lo a qualquer instante, os seus captores, depois de terem-no levado para a aldeia deles em Ubatuba, arrastavam-no para que presenciasse as cerimônias antropofágicas que realizavam. Certa vez, carregaram-no até a aldeia de Tiquaripe, perto de Angra dos Reis, para ver um dos seus inimigos ter a cabeça esmagada pelo ibirapema, o tacape de execuções. Logo em seguida, assistiu os restos do bravo serem rapidamente deglutidos pela tribo inteira, embriagada previamente com licor de raízes de abatí.

Um livro incrível

Staden, que miraculosamente retornou ao Hesse, registrou seus tormentos de prisioneiro dos nativos num livro maravilhoso para ler: Viagens e aventuras no Brasil(Wahrhaftige Historia, editado em Marburg em 1557). Porém, ele não foi o primeiro alemão a pôr os pés no Brasil. Houve ainda um outro, um tal de Ulrich Schmidel, um lansquenete que, em 1540, com um grupo de aventureiros a serviço dos espanhóis, embrenhou-se inutilmente na Amazônia, atrás da lendária tribo de mulheres guerreiras (façanha contada na História verdadeira de uma viagem curiosa feita por Ulrico Shmidel, editada em Frankfurt, em 1567).

Interessa, porém, observar, no que toca ao livro de Staden, as precauções que ele tomou na Alemanha para que acreditassem nele. A Europa do século 16, o grande século das navegações, estava cansada de ler ou ouvir relatos eivados em mentiras e absurdos diversos.

O descrédito das narrativas de viagem. A tal ponto tinha chegado a coisa, que Rabelais, o grande satírico francês, fazendo mofa do livro do padre cosmógrafo André Thévet (Singularitez de la France Antarctique, 1558), decidiu-se inserir na sua obra-prima, dois capítulos denunciando, pelo riso, o disparate das visões mentirosas que alguns viajantes tiveram no inexistente País de Cetim. Criou, também, como símbolo desses mitômanos, um personagem-caricatura, o "Ouvi-dizer", que, apesar de ser um velho, corcunda e paralítico, tendo a língua esfacelada em sete pedaços, narrava, com um mapa-múndi aberto à sua frente, as suas impossíveis aventuras para uma multidão de crédulos. Eram histórias de unicórnios, de mantichoros com corpo de leão e cara humana, de cabeçudíssimos catoblepos de olhos venenosos, de hidras com sete cabeças, de onocrotalos que imitavam gritos de asno, de pégasos, e de tribos de seres com cabeças de pássaros, ou até mesmo com duas cabeças, de povos fabulosos que andavam apoiados nas mãos, com as pernas balançando no ar! (ver o livro V de Gargantua e Pantagruel, de 1564)

Rabelais denunciou os exageros dos viajantes
Querendo, pois, evitar ser chamado de embusteiro, Staden, além de banir do seu relato qualquer menção à zoologia fantástica, pediu a um conhecido seu do Hesse, um tal de Dryander, que assegurasse a veracidade do conteúdo do livro. O alemão, "ébrio de um sonho heróico e brutal", viera a dar com os costados no Brasil para satisfazer seu gosto pela aventura, para ver de perto as maravilhas que escutara na Europa sobre o Novo Mundo descoberto. Foi na sua segunda viagem ao Brasil (na primeira ele conheceu Pernambuco) que Staden naufragou nas costas do litoral fluminense. Por saber lidar com canhões, os portugueses, que o acolheram muito bem, promoveram-no a artilheiro do Forte de Bertioga.

Entre os tupinambás

Certo dia, num descuido seu, os tupinambás, inimigos dos lusos, o maniataram, dando início então ao seu calvário. Amarrado e transportado por mar na piroga indígena, Staden fez de tudo para convencer seus captores de que ele não era um peros, um português, mas sim um mair, um francês, portanto um aliado deles. Conseguiu pelo menos deixa-los na dúvida. Afinal, os índios podiam matar alguém amigo. A alvura do alemão e sua barba loira devem tê-lo ajudado, pois os tupinambás, provavelmente, nunca tinham visto um português brancarrão como ele. Staden atribuiu a sua sobrevivência às rezas, o tempo inteiro, feitas com redobrado fervor.

Cena antropofágica: mulheres da tribo retalham o morto
Os antropólogos, porém, conhecendo hoje melhor os rituais de antropofagia, lendo Staden, chegaram a outra conclusão. Não o abateram e o moquearam por que Staden pareceu-lhes um covarde, cuja carne era indigna de ser ingerida por um valente tupinambá. Não foi pois, o olhar de Deus que o salvou, mas o tremor que abalou o seu corpo e a sua voz.

O que impressiona o leitor, é como Staden conseguiu manter um excelente poder de observação em meio aos perigos em que se encontrava. Deve-se a ele termos um relato em primeira mão da vida dos indígenas, com quem partilhou hábitos e costumes, privando com os seus cheiros, humores, e impudores. Não se trata das observações, quase que de rigor científico, como as do genebrino Jean Lery em sua passagem pelo Brasil, quando por aqui esteve na França Antártica de Villegagnon, em 1557. Oportunidade em que, visitando algumas tabas e conversando com os nativos, ao redor da baia da Guanabara, coletou material e assunto. De volta ao Velho Mundo, Lery publicou um ensaio que é considerado como um dos mais soberbos levantamentos etnográficos do Brasil: o Viagem a terra do Brasil, La Rochelle, 1578. Staden, ao contrário, viveu oito meses em meio aos seus captores. Afinal, os tupinambás tinham-no transformado num Ché remimbaba indé, num animal doméstico, que seu dono, o já referido Tubarão Grande, conduzia amarrado como um cão para todos os lados.



Staden apela inutilmente por asilo
Angustia-se o leitor com a falta de solidariedade de alguns marinheiros franceses para com o pobre homem. Certa vez, o alemão chegou a abordar um barco ancorado bem próximo à praia para pedir asilo. O comandante, para desespero do fugitivo, mandou que se afastasse, porque não queria a inimizade dos índios. Se o acolhessem, disse, os tupinambás, magoados, não fariam mais escambo com ele. Mas, por fim, Staden conseguiu, numa outra oportunidade, um convés amigo que o levou de volta à Europa. O livro de Staden foi um sucesso, tendo conhecido várias tiragens. Talvez tenha sido o primeiro best-seller relatando uma aventura no Novo Mundo.
O primeiro best-seller do Novo Mundo

Zinca Wendt (Relatos quinhentistas sobre o Brasil, Berlim, 1993), demonstrou que o êxito da vendagem do livro de Staden , além das suas óbvias qualidades, e de transmitir ao leitor a permanente sensação de horror em vir-se a ser vítima do canibalismo, deveu-se largamente à mensagem religiosa que continha. O crente náufrago apareceu aos seus conterrâneos da Igreja Reformada, como alguém que escapara miraculosamente das garras do demônio, graças a sua fé protestante. Aliás, ao longo do livro, Staden reproduziu as orações e preces que fez aos céus para poder escapar aquele pesadelo. Portanto, a narrativa, também, serviu como uma poderosa arma na guerra travada ao longo do século 16, entre protestantes e católicos. A Nova Fé, derivada da rebeldia de Lutero, igualmente, era capaz de provocar milagres!

Fonte: http://educaterra.terra.com.br/voltaire/index_hans.htm

sábado, 16 de agosto de 2014

Série livros sobrea a Amazônia - O vale do Amazonas - A.C. Tavares Bastos




O Valle do Amazonas, foi publicado originalmente em 1866, a obra é um estudo pioneiro sobre a livre navegação no Amazonas, estendendo-se por diferentes aspectos econômicos da região, como revela o subtítulo: “estatística, produções, comércio, questões fiscais”. Capítulos são dedicados aos países limítrofes Peru, Bolívia e Venezuela. O prefácio contém o decreto de abertura dos rios Amazonas, Tocantins e São Francisco à navegação internacional. Tavares Bastos é autor de outras três obras na coleção Brasiliana.

Tavares Bastos. O Valle do Amazonas. Garnier. Rio de Janeiro. 1ª Ed. 1866. 441 p










Tavares Bastos. O Valle do Amazonas. Coleção Brasiliana, v. 106. Editora Nacional. São Paulo. 2ª Ed. 1937. 441 p



Tavares Bastos. O Valle do Amazonas. Coleção Brasiliana, v. 106. Editora Nacional. Brasília. 3ª Ed. 1975. 441 p







Tavares Bastos. O Vale do Amazonas. Coleção Rconquista do Brasil. Itatiaia. Belo Horizonte  xª Ed. 2000. 203 p








--------------------

BIOGRAFIA






Aureliano Cândido Tavares Bastos foi o João Batista do liberalismo no Brasil. Rui Barbosa, que o citou abundantemente, dizia que ele havia compassado todos os problemas políticos do país. No Vale do Amazonas defende a tese liberal, e no tempo temerária, da abertura do grande rio ao comércio internacional. Viu vitorioso o seu ponto de vista, embora os resultados não tenham correspondido à expectativa de progresso da região. Mas a argumentação que desenvolveu e os estudos profundos a que procedeu permanecem entre os grandes feitos da inteligência de seu tempo. Revelou a existência de uma geração capaz de equacionar os problemas nacionais dentro dos pensamentos dos grandes doutrinadores liberais contemporâneos. Na elaboração dos atos constitutivos da federação republicana seu nome é invocado constantemente como o doutor do liberalismo e do federalismo. Dele diz Raul Lima que conseguiu tratar os temas que versou com rigorismo de apreciação, "sem cair na chateza e aridez". Expondo, dissecando as questões, "não se afundou na frieza e na vulgaridade da palavra, que é sempre cálida e vigorosa". Por isso Fernando de Azevedo refere-se à sua "literatura substanciosa e enxuta". Observação importante de Raul Lima na introdução aos trechos escolhidos para a coleção Nossos clássicos é que os problemas que ele estuda são sempre encarados do ponto de vista universal, ou ao menos nacional. Ele não é um regionalista. Mesmo o caso da abertura do Amazonas é tratado menos como um caso local do que como um assunto que interessa à nação e à humanidade. O que o empolga é o homem em geral. Está empolgado pelos grandes pensadores de seu tempo: Montalembert, Guizot e, principalmente, Tocqueville, que recentemente voltou às estantes dos sociólogos e políticos, e é considerado um dos mais lúcidos observadores do fenômeno dos Estados Unidos. Atribui-se à influência deste autor o entusiasmo de Tavares Bastos pela intensificação das relações econômicas com a grande República do Norte. O pensamento dominante em todo este estudo é o progresso e a utilidade da medida proposta. "A sua missão resume-se em uma palavra: ser útil". Sua crença nas virtudes da liberdade está expressa no período final do prefácio: "O essencial, nós o possuímos. O pão de cada dia, o pão indispensável ao corpo social, isto é, a liberdade mantida pela ordem... Ora, quando um país goza da liberdade, todo progresso é possível, e onde nada embaraça o progresso, a revolução é impossível." Dele disse Vicente Licínio Cardoso que sua crítica política distingue-se de todos os apaixonados oposicionistas da época: Crítico formidável de todos os nossos males, escalpelador de nossas insuficiências orgânicas, vidente intimorato dos erros relativos à falta de uma consciência brasílica da própria terra que nos coubera no planeta, como berço cósmico de nossa nacionalidade. 

==========


Aureliano Cândido Tavares Bastos (Cidade de Alagoas, 20 de abril de 1839Nice, 3 de dezembro de 1875) foi um político, escritor e jornalista brasileiro.
É considerado um precursor do federalismo, por sua luta contra a centralização administrativa durante o Segundo Reinado.

Biografia

Primeiro dos seis filhos de José Tavares Bastos e D. Rosa Cândida de Araújo, seguido por Américo (1840), Edméia (1842), Teonila (1843), Cassiano (1844) e Maria (1847). Formou-se em Direito na Faculdade de Direito de São Paulo, onde estabeleceu as suas primeiras relações políticas importantes: Ferreira Viana, Paulino de Souza e Gaspar da Silveira Martins, entre outros. Formou-se em 1858, aos dezanove anos de idade, doutorou-se em direito em 1859 e, em 1860, foi eleito deputado pela então Província de Alagoas. No ano seguinte, por discordar abertamente com o Ministro da Marinha, foi demitido do cargo de oficial da secretaria da Marinha. Publicou naquele ano, anonimamente, no Correio Mercantil, as Cartas do Solitário, cuja primeira edição em livro é de 1862. As Cartas tratavam de diversos assuntos, como a centralização administrativa, a abertura do rio Amazonas à navegação, a liberdade da navegação de cabotagem e as comunicações com os Estados Unidos.
Em 1864, Tavares Bastos foi reeleito deputado e participou da Missão Saraiva ao rio da Prata, como secretário.  Em 1870, fez publicar o livro A Província, no qual combate eloqüentemente a centralização do poder público. Em 1872, publicou A Situação e o Partido Liberal e, em 1873, os Estudos sobre a Reforma Eleitoral. Em 1874, precisando tratar de sua saúde, fez a sua última viagem à Europa, onde veio a falecer, vítima de uma pneumonia. Seu corpo foi enterrado na cidade do Rio de Janeiro, onde viveu grande parte de sua curta existência, na tarde de 02 de maio de 1876.
Era partidário do liberalismo, o qual defendia à exaustão, segundo Raymundo Faoro, enquanto um dogma acentuando o caráter natural das leis do mercado e da livre iniciativa enquanto elementos desejados por toda a sociedade contra um Estado que extrapole os limites de sua atuação e acabe por "substituir a sociedade" na iniciativa produtiva.
Em suas ideias recebeu muitas influências do missionário norte-americano James Cooley Fletcher, além de pensadores tais como John Stuart Mill, Alexis de Tocqueville e Alexander Hamilton. Como tal defendia a separação do estado e igreja e inclusive a imigração de protestantes para a região1 .

Bibliografia
  • MOURA, Clóvis. Dicionário da escravidão negra no Brasil. 2004
  • PONTES, Carlos. Tavares Bastos (Aureliano Cândido, 1839-1875). 2.ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1975. (Coleção Brasiliana, 136)

Obras Publicadas

  • Os males do presente e as esperanças do futuro (1861)
  • Cartas do Solitário (1862)
  • O vale do Amazonas (1866)
  • Memória sobre a imigração (1867)
  • A província: estudo sobre a descentralização no Brasil (1870)
  • A situação e o Partido Liberal (1872)
  • A Reforma eleitoral e parlamentar e Constituição da magistratura (1873)
Fonte: Wikipedia
___________________________



Biografia

Patrono
Tavares Bastos (Aureliano Cândido T. B.), advogado, jornalista, político e publicista, nasceu na Cidade das Alagoas, hoje Marechal Deodoro, AL, em 20 de abril de 1839, e faleceu em Nice, França, em 3 de dezembro de 1875. É o patrono da Cadeira nº 35, por escolha do fundador Rodrigo Octavio.
Era filho do bacharel José Tavares Bastos e de Rosa Cândida de Araújo. Fez os primeiros estudos com o pai, latinista e professor de filosofia, e concluiu os preparatórios em Olinda. Matriculou-se na Academia de Direito, em 1854, ano em que a antiga Faculdade de Olinda se transferiu para o Recife. No ano seguinte, acompanhou o pai, que fora nomeado presidente da província de São Paulo, e matriculou-se na Faculdade de Direito. Ali já se encontravam Lafayette Rodrigues Pereira, Silveira Martins, Paulino de Sousa, Ferreira Viana, Afonso Celso (pai), chegando, pouco depois, Tomás Coelho, Macedo Soares, Pedro Luís, entre outros. Ali participa ativamente das sociedades acadêmicas e colabora em revistas literárias e filosóficas, fazendo de Hegel o seu pensador predileto em matéria de estética. Recebeu o grau de Doutor em Direito em 1859; logo depois passou a residir no Rio de Janeiro, onde foi nomeado oficial de secretaria da Marinha, sendo exonerado do cargo em 1861, em represália contra o discurso que proferiu sobre os negócios da Marinha. Foi eleito deputado geral por Alagoas em três legislaturas, 1861-1863, 1864-1866 e 1867-1870, sendo na primeira vez, aos 22 anos de idade, o mais jovem deputado no Parlamento, eleito juntamente com José de Alencar, João Alfredo, José Bonifácio, o Moço, entre outros.
A imprensa e a tribuna parlamentar eram o veículo ideal para a defesa das suas idéias. Ainda em 1861 publicou o panfleto Os males do presente e as esperanças do futuro, com o pseudônimo de "Um Excêntrico". Sua carreira política foi marcada pela preocupação com as questões sociais e econômicas do seu tempo, sobretudo a escravidão, a imigração, a livre navegação do Amazonas, a educação, a questão religiosa. Tratava desses problemas nas Cartas que passou a publicar, sob o pseudônimo de "O Solitário", no Correio Mercantil, de Francisco Otaviano, reunindo-as nas Cartas do Solitário, publicadas em 1862.
Em 1864, participou da Missão Saraiva ao Rio da Prata, como secretário, o que deu motivo a grandes polêmicas na Câmara. Depois partiu para o Amazonas, em viagem de estudos e observações, de que resultou o seu livro O vale do Amazonas, publicado em 1866. No Parlamento, predominavam as discussões relativas à liberdade religiosa e à separação entre a Igreja e o Estado, à imigração e à reforma eleitoral e parlamentar. A ele é atribuído o panfleto Exposição dos verdadeiros motivos sobre que se baseia a liberdade religiosa e a separação entre a Igreja e o Estado, que apareceu em 1866, sob o pseudônimo de Melásporo. Em 1867, Tavares Bastos publica Reflexões sobre a imigração, faz oposição ao Gabinete Zacarias, deixando de ser deputado ao dissolver-se a Câmara em 18 de julho de 1868. Passa a dirigir o Diário do Povo, com Lafayette Rodrigues Pereira, e colabora com o jornal A Reforma do recém-fundado Clube da Reforma (1869). Em 1870, publica A Província, o seu livro mais importante e conhecido. É neste livro que ele se dedica a uma das suas idéias fundamentais: a da descentralização ou da federalização do Brasil, dando certa autonomia às províncias e acabando com o centralismo unitarista imperial, que as sufocava e lhes negava praticamente qualquer iniciativa.
Desinteressando-se de se candidatar mais uma vez, faz como escritor e jornalista a campanha pela reforma eleitoral. Em 1874, faz uma segunda e última viagem à Europa, com a esposa e a filha. Acometido de pneumonia, faleceu em 3 de dezembro de 1875, em Nice, no sul da França. Em 30 de abril de 1876, seu corpo chega ao Rio de Janeiro, a bordo do navio francês Henri IV, sendo então realizado seu enterro no Cemitério São João Batista.

Fonte: ABL

_________________


Adicionar legenda