VISITAS

sábado, 27 de abril de 2013

REPORTAGENS SOBRE A AMAZÔNIA - REVISTA VEJA


Revista Veja é uma publicação de distribuição semanal brasileira publicada pela Editora Abril as quartas-feiras. Criada em 1968 pelos jornalistas Victor Civita e Mino Carta, a revista trata de temas variados de abrangência nacional e global. Entre os temas tratados com frequência estão questões políticas, econômicas, e culturais. Com uma tiragem superior a um milhão de cópias,  a revista Veja é a de maior circulação no Brasil .

 Fonte: Wikipedia



CAPAS DAS REVISTAS VEJA QUE TIVERAM A AMAZÔNIA COMO PRINCIPAL REPORTAGEM




Veja - Amazônia Um Tesouro Ameaçado- Bamcri
Adicionar legenda



Revista Veja - Sozinhos. Amazônia. Até Quando?
Adicionar legenda




Revista Veja - Corrupção. Amazônia À Venda
Adicionar legenda
Revista Veja Nº 1580 Jan 1999 - Assalto À AmazôniaRevista Veja 1980.politica.noticias Nacionais.ouro AmazôniaVeja - A Década Da Amazônia
Revista Veja - Edição Especial: Amazônia
Adicionar legenda
Hidrelétrica Na Amazônia- Revista Veja - 7 De Dezembro 2011

domingo, 21 de abril de 2013

REPORTAGENS SOBRE A AMAZÔNIA - REVISTA MANCHETE

Esta postagem visa fazer uma coleção das capas das edições da Revista Manchete que teve a Amazônia como tema principal na capa.

Adicionar legenda



A Revista Manchete foi uma revista publicada semanalmente de entre 1952 e 2000 pela Bloch Editores. Criada por Adolpho Bloch,, sendo considerada a segunda maior revista brasileira de sua época, atrás apenas da revista O Cruzeiro. Em 2000, com a falência de Bloch Editores,[4] a revista deixou de circular, sendo depois relançada com outros donos, de maneira esporádica.

Fonte: Wikipedia




Revista Manchete. Setembro de 1989


Adicionar legenda



Revista Manchdte. Junho de 1983





PS - Se você quiser colaborar com este post, e tem alguma capa que possa disponibilizar a imagem. Favor enviar para byblyomania@gmail.com

sexta-feira, 12 de abril de 2013

O DIABO NA LIVRARIA DO CÔNEGO - Eduardo Ribeiro - Serie Livros sobre Livros

ENSAIO SOBRE O LIVRO “O DIABO NA LIVRARIA DO CÔNEGO” DE Eduardo Frieiro



Eduardo Frieiro O Diabo Na Livraria Do Cônego
Adicionar legenda


por Cristiano Melo


O presente ensaio busca apontar, sem esgotar o tema, de como a falta de registros bibliográficos eficientes, fez proliferar os plágios, bem como resgatar a história da colônia portuguesa, o Brasil, do século XVIII. Para tanto, utiliza-se do livro de Eduardo Frieiro, “O diabo na livraria do cônego”. Nascido a 05 de julho de 1889, em Matias Barbosa, MG e Falecido a 23 de março 1982, em Belo Horizonte, onde era o patrono da cadeira de nº 15 da referida cidade.

O livro de Frieiro traz informações sobre uma personagem histórica da colônia portuguesa, o Brasil, no século XVIII, como aponta Morais e Hargreaves:

“A História dos Livros de nosso país esteve por muito tempo restrita aos estudos feitos pelos bibliófilos. Ao que se sabe, o primeiro trabalho que se preocupou com a leitura no Brasil foi o de Eduardo FRIEIRO, O diabo na livraria do cônego (1981), publicado pela primeira vez em 1945, cuja proposta era pensar em termos regionais o que se lia no século XVIII” (Morais e Hargreaves, 2004, p.1)

O cônego em questão no livro tem sua biografia explorada pelo autor e explora o sequestro de bens do clérigo Luis Vieira da Silva, “...um ensaio bibliográfico à margem da história da inconfidência mineira” (Frieiro, 1945, p. 9).

Muitos historiadores o consideram como o homem mais instruído da colônia daquela época, segundo Frieiro, como J. Norberto de Sousa e outros, tanto pesquisadores contemporâneos como intelectuais do século XVIII, devido a sua eloqüente oratória e, principalmente, devido à sua coleção de livros que em seu acervo, seqüestrado pela Devassa, somavam 270 obras, com cerca de 80 volumes, coleção esta superior a intelecuais de outros países.

O que se sabe sobre o cônego é que ele era humilde mas possuía uma enorme instrução, e, o que se faz pensar como alguém tão limitado financeiramente conseguira reunir tão grande acervo de livros.

Há dois escrutínios no livro, o feito pelo próprio Frieiro que ocupa boa parte da referida obra e feito pelo escrivão José Luiz frança Lira. Os livros foram seqüestrados pela devassa por se tratarem de livros considerados “perigosos” pela igreja católica, como aconteceu a Cervantes, alguns foram queimados e outros foram poupados e arquivados na Biblioteca Nacional. O que pode ser visto e estudado por Frieiro.

O que chama a atenção de Frieiro e que é o escopo do presente ensaio, é que, durante o escrutínio oficial, muitos livros não foram catalogados com seus títulos e muitos sem a devida menção autoral, o que permitiu, segundo Frieiro, que alguns plagiários se beneficiassem desta feita, como é o caso “...do padre jesuíta Feller, plagiário emérito, que...se apropriou descaradamente da obra análoga do beneditino Chaudon.” (Frieiro, 1945, p. 33)

Villalta retoma a documentação utilizada em o diabo..., quando se propõe:

“realizar uma breve radiografia da circulação dos livros, conjugando-a com uma análise das livrarias dos inconfidentes e de uma personagem da ordem: o bispo de Mariana, do frei Domingos da Encarnação Pontével” (Villalta, 1996, p. 369)

Interessante também é observar que mesmo o cônego tendo sido torturado na Devassa, o mesmo era portentor de censura, uma vez que era bispo da Sé de Mariana, o que para alguns autores poderia ser o motivo para tantos livros em sua posse, muito embora o prórpio Frieiro o trate às raias de um herói, uma vez que não conseguiram “arrancar” dele nenhuma informação sobre a inconfidência, talvez não tivesse mesmo o que se tirar de alguém que possivelmente poderia se valer de seu posto para adquirir livros e apenas deleitar-se com as suas leituras.

O tema da apropriação do discurso de outra pessoa é tratado diretamente no livro, onde se aponta que partes de obras eram retalhadas e construídas da forma que queria o plagiador, tanto de maneira implícita como explícita.

De onde se verifica a importância da referência bibliográfica para que se dê os devidos créditos aos autores de suas obras. O livro em si é um alerta para que se abram arquivos confiscados e que a censura acaba ceifando a liberdade de expressão de seus autores.

Referências Bibliográficas

FRIEIRO, E. O diabo na livraria do cônego, Livraria Cultura Brasileira LTDA, 1ª Ed., Belo horizonte, 1945.

MORAIS, C. C. I seminário brasileiro sobre livro e história editorial. Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro, 2004.

VILLALTA, L. C. O diabo na livraria dos inconfidentes. In: NOVAES, A. (org.) Tempo e história. SP: Schwarcz, 1996.


________________________________________________________

Fonte: Revista Philomatica


O diabo na livraria do cônego


Ao longo da história a perseguição, o martírio e o extermínio foram constitutivos da trajetória de muitos povos. Com o livro não tem sido diferente: parece-me que em sua aventura o fogo sempre foi seu mais cruel algoz. Quem já não ouviu histórias sobre a destruição da célebre biblioteca de Alexandria? Na idade moderna, porém, é difícil de esquecer os livros considerados “degenerados” que arderam nas fogueiras patrocinadas pelos nazistas. No cinema, no filme 451 Fahrenheit, o diretor Bradbury, leva a crueldade à tela e imagina uma sociedade avessa aos livros que quer a todo custo desvencilhar-se das memórias que esses objetos insistem em trazer à tona. Os bombeiros são então encarregados da destruição. Detalhe: 451 graus Fahrenheit é precisamente a temperatura necessária para a queima do papel. A representação continua nas artes: no quadro A pregação de São Paulo em Éfeso, do pintor Le Sueur, vê-se São Paulo, de pé, sobre uma estela com uma barba e uma túnica, bem ao estilo dos modernos aiatolás. Os fiéis o escutam atentamente; na parte inferior do quadro, de joelhos, um escravo negro queima livros. Aproximando-se (para quem vê a pintura no Louvre), é possível ver detalhes das páginas: figuras e fórmulas matemáticas. É o escravo, provavelmente, recém convertido, a queimar a cultura grega.
E sempre foi assim: o vencedor se encarrega, primeiro, de apagar as linhas, os traços e o saber do povo subjugado. Assim fizeram os mongóis quando invadiram o oriente, assim fizeram os cristãos na época das cruzadas (Jerusalém foi praticamente destruída quando os cruzados lá entraram!). Os espanhóis não fizeram outra coisa quando eliminaram os vestígios das extraordinárias civilizações pré-colombianas sob as ordens de Cortés e Pizarro e, na Espanha, Isabel de Castela mandou incinerar todos os livros muçulmanos encontrados em Granada. Em 2003, a biblioteca de Bagdá, também padeceu com a destruição como se ainda estivéssemos em tempos selvagens, d’antanho.
Mas, o mais triste é quando o livro conhece inimigos em seu próprio seio: em torno dos movimentos de 1968, na França, existiu um Comitê de Ação Estudantes-Escritores que agia sob ardor psicodélico. No fervor contra o ensino tradicional, tão na moda nos anos 60, o grupo clamava por um novo saberMaurice Blanchot – acreditem! militava nesse comitê, que pedia, em especial, o desaparecimento do livro, acusando-o de manter o saber aprisionado[i].
No Brasil, a perseguição ao livro tem capítulo curioso com os movimentos ditos revolucionários, em especial a Inconfidência mineira e o Movimento democrático baiano. Muito embora rebelião armada ou transformação violenta de uma forma de governo apareçam entre muitos de seus significados, parece haver consenso geral entre os estudiosos de que a palavra revolução soa forte para definir os movimentos revoltosos brasileiros. Melhor o uso de adjetivos que, menos sonoros, se adequam com mais precisão à extensão dos acontecimentos, como sublevação, agitação ou mesmo perturbação.
“No Brasil, o processo de emancipação não chegou em nenhum momento a ser um processo revolucionário, e (...) nenhum dos homens, mesmo os mais atrevidos, que forjaram o clima de sentimentos propício à nova ordem de coisas, pensou, então, em termos de autêntica revolução”, afirma Sérgio Buarque de Hollanda em introdução ao livroCultura e Sociedade no Rio de Janeiro 1808-1821, de Maria Beatriz Nizza da Silva; entretanto, Hollanda afirma o caráter radical da agitação baiana, apesar de considerá-la natimorta, resultado provocado por esperanças mentirosas e aspirações mal articuladas. Sobre a Inconfidência mineira, Wilson Martins[ii], lembra que muitas das “racionalizações posteriores foram ideológicas (sobretudo por parte de historiadores imaginosos), mas cujas raízes e intenções eram limitadamente econômicas”, enquanto José Veríssimo a esses acontecimentos se refere como “pomposa e impròpriamente apelidados de revoltas e até de revoluções pelos historiadores indígenas, contra o governo colonial”.[iii]
Ora, se extensos, influentes e capazes de desorganizar a sociedade e a política da metrópole ou não, para o governo reinol o que importava era eliminar a origem. E na origem das ideias conspiratórias havia a filosofia e os teóricos iluministas, termos que à época em Portugal, sobretudo politicamente, tinham conotação pejorativa e evocavam a Revolução Francesa. Voltaire, Rousseau, Montesquieu, D’Alembert, Diderot eram considerados pensadores notoriamente anticatólicos; seus nomes, portanto, sinônimos de ateu e materialista. Assim, tê-los à mão significava atuar como elemento multiplicador de ideias que iam de encontro àquelas aceitas pelo Estado e a Igreja. O desterro e a pena capital foram punições comumente aplicadas aos envolvidos, a exemplo de Tomás Antônio Gonzaga, o criador de Marília de Dirceu, que no degredo, na África, quis a vontade romântica a morte do poeta em extrema miséria física e moral. Tais fatos, porém, foram revistos e corrigidos por Frieiro a partir do estudo do Professor M. Rodrigues Lapa (Marília de Dirceu e mais poesias de Gonzaga, Livraria Sá da Costa, Lisboa, 1937).[iv]
Muito do que se sabe dos inconfidentes provém dos Autos de devassa, que Eduardo Frieiro esmiúça em seu O Diabo na Livraria do Cônego, estudo que aponta as leituras dos perseguidos poetas, oradores, eruditos, jurisconsultos e homens de ciência. Das bibliotecas aí apontadas, sem sombra de dúvida, se destaca a do Cônego Luís Vieira da Silva, lente de filosofia no Seminário Episcopal de Mariana e considerado o mais instruído e eloquente dos conjurados. Dentre livros, os quais, hoje, só nos chamam a atenção como simples curiosidades da história literária, estão aqueles que, se há muito já não influenciam os espíritos como no tempo do Cônego, nos interessam por se tratar de veículos transmissores das ideias enciclopedistas e racionalistas, enfim, o espírito da Revolução.
A atração que desperta a biblioteca de Luís Vieira da Silva não é tanto pela quantidade, já que possuía cerca de oitocentos volumes, de um total de 270 obras, mas sim a qualidade das obras ali reunidas, capazes de satisfazer qualquer exigente leitor da época. Mais da metade delas era em latim – o idioma internacional de então; havia ainda originais em espanhol, inglês e italiano e cerca de noventa deles em francês. Como se vê, homem que, embora austero e desprovido materialmente - conforme a relação dos bens sequestrados, conseguiu reunir uma biblioteca notável para o seu tempo e lugar. 
A julgar pelos livros não se tem só a prova da falha dos mecanismos de censura, como também se pode atestar o adiantado e alto índice de ilustração em que viviam os inconfidentes. “Não é pois arriscado afirmar que os intelectuais de Vila Rica leram tudo o que quiseram ler”[v]. De Voltaire, Luís Vieira da Silva, possuía as Oeuvres de M. Voltaire e a obra do jesuíta l’Abbé Claude-François Nonnotte - Erreurs de M. Voltaire, de 1762. Em se considerando ser o cônego um intelectual, um ideólogo, as tais Oeuvres de M. Voltaire, provavelmente se tratavam de obras as quais o colocavam no rol dos indivíduos que ora tramavam contra os sustentáculos da ordem, suposição em parte devida às imprecisões das anotações registradas nos autos de sequestros, na maioria das vezes generalizadas, cujas indicações não se estendem para além do nome do autor.
Em se tratando ainda da biblioteca de Luís Vieira da Silva, já não é sem tempo defini-lo como bibliófilo, tal a diversidade de autores presentes em suas estantes. Nomes como Descartes, Montesquieu, Diderot, d’Alembert, Condillac, Mably, Corneille, Racine, Milton, Cícero, Suetônio, Quintiliano e Voltaire pululam entre dezenas de outros condenados ao ostracismo. Os instrumentos de censura eram claros em relação a Voltaire – baniam-no. Não por outra razão sua presença ganha destaque entre os livros do cônego. Além do que, sua leitura era conjugada a do “Contrato Social, que andava de mão em mão no Brasil, como em toda a América. [Assim] Voltaire fora o bota-fogo número um, o incendiário principal de uma época que o absolutismo dos governantes, a corrupção dos aristocratas, a depravação do clero e a licença geral dos costumes já haviam carcomido”[vi], razão pela qual o iluminista figura também entre os bens sequestrados de Alvarenga Peixoto, Coronel José Resende Costa e Cláudio Manuel da Costa, com o Essai sur la poésie épique, fonte de inspiração para Vila Rica, seu poema épico.
E é ao lado de textos revolucionários como a Fala de Boissy d’Anglas, de 30 de janeiro de 1795 e Orador dos Estados Gerais, de 1789, em cujas páginas se pode encontrar a afirmativa de que "ce sont les Nations qui ont fait les Rois, et non les Rois qui ont fait les Nations", uma heresia à época, que vamos encontrar o Dictionnaire Philosophique de Voltaire, na opinião de Borba de Moraes, o único texto que podia ser verdadeiramente taxado de ser contra ‘o Trono e o Altar’[vii], encontrado na biblioteca do tenente Hermógenes Francisco de Aguilar Pantoja.
A segunda das bibliotecas existentes à época do levante de 1798 era pertencente ao cirurgião e lavrador de canas Cipriano José Barata de Almeida, totalizando vinte e dois títulos, entre os quais, obras clássicas como Elementos de Euclides, além de Condillac, Bomare e Vertot com suaHistoria das revoluçoens acontecidas no Governo da Republica Romana, de 1718.
Pouco mais de três décadas depois e todos esses acontecimentos estarão envoltos pela poeira do tempo. O cenário político-social sofrerá transformação radical. A guerra que se travará no outro extremo do país não mais será de estrito cunho ideológico; mas sim em busca da atualização, da promoção e do progresso da cultura nacional, iniciativa que se inicia logo após o governo regencial.

[i] CARRIÈRE, Jean-Claude; ECO, Humberto. Não contém com o fim do livro. Trad. de André Telles. Rio de janeiro: Record, 2010, p. 213.[ii] MARTINS, WILSON. História da inteligência brasileira (1550-1794). São Paulo: T. A. Queiroz, Editor, Ltda., 1992, Vol. I, p. 530.[iii] VERÍSSIMO, José. História da Literatura Brasileira de Bento Teixeira (1601) a Machado de Assis (1908). Rio de Janeiro, 1969, p. 86.[iv] FRIEIRO, Eduardo. O diabo na livraria do cônego. Eis os fatos segundo o autor: “Mas o que temos agora como certo, segundo as informações trazidas a lume pelo Professor M. Rodrigues Lapa, é que o poeta não perdeu o juízo; ao invés disso, ‘deitou muito boas contas à sua vida’, apenas chegado ao exílio. Um ano depois estava prosaicamente casado com Juliana, jovem, rica e sem letras – perfeito ideal doméstico. Advogou, tratou com bom tino os negócios do casal, teve um herdeira que Juliana lhe deu e, com os rendimentos provindos da advocacia, acrescentados aos vultosos bens da mulher, tornou-se uma das principais pessoas de Moçambique. Num documento coletivo de janeiro de 1800, é intitulado uma ‘das principais pessoas’ daquela cidade, onde exerceu, primeiro, a função de Procurador da Coroa e, depois, a de juiz da Alfândega, elevado cargo que desempenhou até sua morte, que teria ocorrido, segundo admite o ilustre gonzaguista acima citado, em princípios do ano de 1810, talvez em fevereiro.” Veja página 87.[v] FRIEIRO, Eduardo. Op. cit., p. 20.[vi] Idem, p. 47.[vii] MORAES, Rubens Borba de. Livros e Bibliotecas no Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos; São Paulo: Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1979, p. 29.